Paripe.net

Três áreas de Salvador acumulam 80mm de chuva em 72 horas

Imagem Responsiva


A frente fria que tem provocado o tempo chuvoso na capital baiana, desde o último final de semana, começa a se afastar para o oceano. No entanto, ainda mantém a convergência de umidade, favorecendo aumento de nebulosidade e a ocorrência de pancada de chuvas fracas e moderadas a qualquer hora do dia. A partir desta quarta-feira (24) até domingo (28), a previsão é que a massa de ar quente e seca ganhe força e reduza as chances de chuva na cidade, segundo informativo meteorológico da Defesa Civil de Salvador (Codesal).

A Codesal registrou dez ocorrências, sendo duas ameaças de desabamento, quatro ameaças de deslizamento, três deslizamentos de terra e uma infiltração. Os acumulados de chuvas em Nova Brasília, Vila Picasso (Capelinha) e Voluntários da Pátria (Lobato) já superam 80mm em 72 horas, o que coloca essas áreas em situação de "Atenção".

Em função da continuidade das chuvas, torna-se necessário a realização de vistorias nessas localidades, conforme protocolo indicado pelo Plano de Prevenção de Defesa Civil (PPDC). A medida também estabelece acompanhamento das condições do tempo e das situações de risco, através do Centro de Monitoramento e Alerta de Defesa Civil (Cemadec) e demais setores do órgão.

O Cemadec monitora de forma integral os índices pluviométricos do Sistema de Alerta e Alarme, o que permite perceber antecipadamente os riscos de deslizamento de terra e alagamento de área, procedendo a evacuação de moradores para centros de acolhimento até que sejam realizadas vistorias dos locais atingidos. A partir das condições do tempo, é realizada a mudança de nível de monitoramento dividido em quatro categorias (Observação, Atenção, Alerta e Alerta Máximo), juntamente com a análise dos acumulados de chuva nas últimas 72 horas. O nível de segurança é de até 80mm nesse período.

"A Codesal continua trabalhando 24 horas por dia com equipes de plantão, acompanhando as alterações climatológicas tanto no Cemadec, observando o índice pluviométrico, quanto com equipes de engenharia que atendem solicitações e demandas da população através do telefone 199", assegura o diretor geral da Codesal, Sosthenes Macedo.

Encostas e geomantas – A Prefeitura concentra esforços a uma série de medidas preventivas e emergenciais que ocorrem de forma rotineira na cidade, a fim de minimizar os impactos provocados pela intensificação do índice pluviométrico em Salvador. Desde 2013, a administração municipal já entregou 57 obras de contenção de encostas, incluindo as marítimas. Nove projetos estão em execução e outras 12 estão a iniciar.

O investimento global é de R$ 114,2 milhões, com recursos municipais e federais. Dentre as localidades beneficiadas estão Cosme de Farias, Federação, Vale das Pedrinhas, Ladeira do Cacau, Avenida Contorno, Canabrava, São Cristóvão, Itapuã, Saramandaia, Rio Vermelho, Luiz Tarquínio, Saboeiro, Santa Mônica, Costa Azul, Estrada Velha do Aeroporto, São Caetano, Liberdade, São Tomé de Paripe, Estrada da Rainha, Fazenda Grande e São Marcos.

Outra solução adotada pela Prefeitura para as áreas de risco são as geomantas. Desde 2015, a técnica inovadora de proteção de encostas utilizando material composto em PVC e geotêxtil já foi aplicada, sob a coordenação da Defesa Civil de Salvador (Codesal), em 115 pontos da cidade. No total, são 77 mil m² de área que trazem mais tranquilidade e segurança para os moradores, principalmente no período chuvoso, em diversas localidades. As mais recentes a serem beneficiadas são o Conjunto ACM (Cabula), Parque Sílvio Leal (Cajazeiras VI), 1ª Travessa João Rodrigues Mendes (Boa Vista do Lobato) e Rua da França (Sete de Abril).

Imagem Responsiva










Imagem Responsiva