Paripe.net

Projeto de Karatê integra família e escola no bairro de Paripe



Projeto de Karatê integra família e escola no bairro de Paripe
Foto: Reprodução

No Colégio Estadual Barros Barreto, locali­zado no bairro de Paripe, no subúrbio ferroviário de Sal­vador, o projeto Arte – Educação: o Karatê na Escola vem contribuindo para a formação cidadã de estu­dantes e de pessoas da comunidade. Trata-se de uma iniciativa de inclusão social por meio do esporte, que, cada vez mais, atrai participantes de todas as idades, além de pessoas com necessidades especiais como cadeirantes, autistas e com deficiência na coordenação motora. O projeto, completa, agora em março, 16 anos de atuação na unidade escolar.

 

De acordo com o diretor do colégio e ideali­zador do projeto, Rui Cesar Cerqueira, a ini­ciativa teve início em 2000, com a participação de 16 estudantes que apresentavam problemas de indisciplina e baixo rendimento escolar. “Através da prática da arte marcial percebemos que os alunos se desenvolveram, melhoraram a concentração e aprenderam a cultivar valores diferenciados do que eles vinham trazendo antes. O projeto deu tão certo que outros alunos e demais pessoas da comunidade começaram a se interessar, havendo a necessidade de ampliar o número de vagas”, explica o gestor, faixa-preta de Karatê, com mais de 35 anos no esporte.
 

Protagonismo social


Para participar das aulas de karatê, o interessado faz uma inscrição e contribui mensalmente com um quilo de ali­mento não perecível. “O projeto também tem uma função social, pois distribuímos cestas básicas para os alunos mais necessitados e pessoas da comunidade. Essa iniciativa torna o atleta um protagonista social, que começa a se preocupar ao ver as necessidades do outro e ter outro tipo de visão do ser humano”, avalie Rui Cesar.
 

Este é o caso do ex-aluno do colégio e faixa preta, Heraldo Gonçalves, 41 anos, participante do projeto desde 2002 e que hoje ajuda outros jovens a acreditarem nos seus sonhos. “O projeto representa um poder de transformação na minha vida, pois, contribuiu muito para a minha formação enquanto cidadão”, revela o atleta. Já o também ex-aluno e faixa-preta, Alexsandro Conceição, 27 anos, afirma que o karatê o ajudou a mudar o seu comportamento. “Eu era um aluno muito rebelde e brigava muito com os colegas e, por conta disso, o professor Rui me colocou no projeto para treinar durante um mês e fui gostando. Me disciplinei, conclui meus estudos e continuo até hoje porque acredito nesse projeto transformador de vidas”.abaixo matéria realizada pela TV Bahia:

 

Assista abaixo matéria realizada pela TV Bahia:


Na unidade escolar, o karatê tem seu espaço garantido de segunda a sexta-feira. Além dos exercícios práticos, são realizados momentos de discussão em grupo sobre valores como caráter, solidariedade e fé. “Com a abertura do karatê para a comunidade, crianças, jovens e adultos que ficavam ociosos, hoje, têm um direcionamento no processo de formação cidadã”, conta o diretor.

 
Os estudantes Rubens Sena Junior, 17 anos, e Cleiton Carmo, 18 anos, acabaram de concluir o ensino médio no colégio e continuam praticando o esporte no colégio. “O karatê me ajudou durante todo o meu ensino médio, pois, era muito baderneiro e agora estou indo para o ensino superior com uma nova cabeça”, diz o ex-aluno, ao afirmar que continuará no projeto. Cleiton também fala sobre os benefícios do karatê para sua vida. “O karatê me fez superar minha ansiedade e timidez. Aprendi a ter mais atitude e autoconfiança”, destaca.
 

Participação familiar – O esporte também contribui para a integração e união da família. Moradores da comunidade, os pais Rui Antônio Lima, 37 anos e Elizabete Chagas, 36 anos, ficaram encantados com o trabalho desenvolvido no colégio e resolveram inserir suas duas filhas no projeto, Solene Lima, 10 anos, e a pequena Luene Lima, de quatro anos.
 

“Minhas filhas se encantaram com o esporte e passaram a se concentrar mais nas atividades escolares. Hoje, também participo junto com elas e me divirto muito porque funciona como um momento a mais de interação entre mãe e filhas”, explica a mãe atleta. Solene diz que “o karatê é muito divertido porque podemos exercitar mais o corpo e fazer novos amigos”. Já Luene entrega no sorriso a satisfação em poder brincar e lutar na companhia da mãe, irmã e demais crianças da comunidade.ista abaixo matéria realizada pela TV Bahia:

 

Imagem Responsiva









Imagem Responsiva