Paripe.net

Deputados baianos pressionam governo para vacinação de profissionais da educação

Imagem Responsiva
Imagem Responsiva
Imagem Responsiva
Imagem Responsiva


Representando o movimento nacional “PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: VACINA JÁ!” na Bahia o deputado federal Bacelar (Podemos/BA) pediu ao governador do estado Rui Costa (PT) e ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, a inclusão dos profissionais da educação no calendário de prioridades de vacinação. A solicitação foi feita através de um documento, encaminhado esta semana, que também foi assinado pelas deputadas baianas Lídice da Mata (PSB) e Alice Portugal (PCdoB).  

Na avaliação de Bacelar, os educadores, de escolas públicas e privadas, devem ser tratados como profissionais “da linha de frente” já que correm o risco de contágio em sala de aula, local de aglomeração, proliferação do vírus e polo gerador de contaminação. “Pelo que tenho acompanhado, não teremos vacinas em número suficiente para todos brasileiros no primeiro semestre, por isso, é fundamental priorizar a educação para garantir o direito à aprendizagem de nossas crianças e jovens” afirmou. 

Ao argumentar Bacelar disse que vários países que já enfrentaram a segunda onda da pandemia, mudaram a classificação nos planos de contingência e consideraram a educação como serviço essencial para que as escolas se mantenham abertas, mesmo em estágios mais restritivos de isolamento.  “Estamos há um ano com colégios fechados e isso causará sérios prejuízos ao processo de aprendizagem. Estamos pensando na reabertura das escolas públicas e na implementação dos protocolos de segurança sanitária e isso inclui a imunização de todos os profissionais” pontuou. 

Depois de ser pressionado pelo parlamento, Pazuello sinalizou aos prefeitos que mudaria o Plano Nacional de Imunização para incluir os professores dentre as prioridades, mas ainda não informou quando a medida será tomada. “A sociedade precisa pressionar e cobrar um posicionamento urgente do governo. O caos educacional está instalado e pode se agravar se não adotarmos uma postura” concluiu.